O Fórum de Resolução de Conflitos é um espaço que temos na Escola Politeia para fugir aos modelos tradicionais de tentativa de resolução de conflitos que acontecem na escola, como brigas, xingamentos, alguma falta de respeito etc., coisas normais que acontecem no cotidiano de qualquer escola, mas que podem ser tratadas de maneiras diferentes.

Como a grande maioria das escolas tradicionais resolvem seus conflitos?

Abafam para ninguém saber, ignoram como se eles não existissem, e quando agem de alguma forma é com suspensão, advertência, bronca ou expulsão.

Fórum é um espaço para os envolvidos (e quem mais quiser participar) poder falar abertamente sobre o que aconteceu com o desejo de resolução sem represálias. É também um espaço onde aquele que foi acusado pode colocar seu ponto de vista e seus argumentos. Este espaço é mediado por outras pessoas que não estiveram ligadas diretamente ao conflito, normalmente um adulto e um estudante.

Existe uma folha no mural da escola onde as pessoas colocam os conflitos e quem esteve envolvido. No dia do Fórum estas pessoas sentam frente a frente para uma conversa.

Folha do Fórum

Existem problemas simples e complicados para se resolver num fórum. Simples como uma pequena briga, um estudante que fala algo que o outro não gosta, um empurrão etc., mas como sabemos isso é fácil de se resolver quando as pessoas têm espaços para falar e colocar suas opiniões.

E existem também os problemas complicados como este que vou descrever agora.

Fui mediar um Fórum tempos atrás, peguei a folha e chamei as pessoas envolvidas para uma conversa. Uma educadora chamou minha atenção para último ponto da folha que eu não tinha entendido como um conflito. Ela me disse que foi um estudante que colocou, ele tem 5 anos.

 

 

Forma de expressão do estudante sobre quem eram os envolvidos

Quando começamos a conversa este estudante tentava explicar o conflito, mas eu não conseguia entender qual era o problema. Ele convocou 3 estudantes de 14, 15 e 16 anos como causadores do conflito e tentava explicar que eles prenderam ele durante uma brincadeira.

Eu pensava: mas se foi numa brincadeira de prender, qual foi o problema?

Os mais velhos também não tinham visto problema naquilo e o estudante de 5 anos se virava em 5 para tentar nos fazer entender.

Depois de uns 10 minutos de conversa, muitas exclamações e gesticulações que o estudante mais novo fez para se fazer compreender, eu consegui entender qual tinha sido o problema.

Eles estavam brincando de polícia e ladrão e os mais velhos eram a polícia (vamos dispensar aqui todas as discussões possíveis em torno desta brincadeira), o que eles não entenderam foi que os mais novos não eram ladrões, eram super heróis!

Sendo assim, palavras dele: “A polícia não pode prender super heróis, eu era o Wolverine, meu amigo era o Capitão América e eles prenderam a gente!!!” (dizendo isso com todas as exclamações possíveis).

Este era o problema atravessado por toda a polissemia no entendimento de uma simples brincadeira. Como ele sendo o Wolverine (com toda sua força e capacidade de se regenerar) podia ficar preso por meros policiais? Como o Capitão América, com sua força e seu escudo mágico, não podia se livrar dos simples policiais feitos de carne e osso e sem mágica.

Só posso dizer que este foi o fórum mais difícil de se resolver, uma briga, uma palavra dita para outro, um brinquedo não devolvido, se resolve muito fácil, uma compreensão profunda de uma brincadeira de criança é muito mais difícil de resolver.

Share